5 soluções para otimizar o atendimento público de saúde

O Sistema Único de Saúde (SUS) é uma conquista da população brasileira que garante a todos os cidadãos o acesso integral, universal e gratuito à saúde. Assegurado pela Constituição Federal de 1988, é considerado um modelo para o mundo, tendo em vista que é uma das maiores e melhores organizações para atendimentos públicos e beneficia cerca de 190 milhões de pessoas.

Logo, por ser um sistema complexo e a base da democratização da saúde no país, enfrenta diversos desafios e requer planejamento estratégico para que esteja sempre evoluindo. Por isso, listamos 5 soluções para otimizar o atendimento público de saúde desde o nível municipal até o estadual e o federal.

1. Recorrer à tecnologia

Cérebro em painel tecnológico para estudo

(Foto: Freepik)

Uma pesquisa da Associação Nacional das Administradoras de Benefícios (Anab) indicou que 40% das pessoas que possuem planos de saúde no país utilizam o SUS, tanto para serviços como a vacinação quanto para especialistas (19,7%), emergência (11,8%), medicamentos (11,4%) e exames (5,5%).

Tais dados reforçam a importância da otimização das ferramentas da rede pública para que a mesma não fique sobrecarregada e dê conta da demanda. Para esse fim, a tecnologia pode ser uma aliada.

Algumas exemplos podem ser: prontuário eletrônico (agiliza o acesso às informações dos pacientes, diminui a necessidade de materiais e de espaço físico para armazenamento de dados e garante o registro de quaisquer ações); telemedicina (contribui para a redução na espera por atendimento e podem servir como processo de triagem); aplicativos (evitam aglomerações, facilitam o acesso à informação e poupam a população de deslocamentos desnecessários); e sistemas de gestão (aplicados desde o setor de atendimento até a controladoria e a logística, aperfeiçoam e potencializam o controle de dados).

2. Treinar as equipes com foco no atendimento humanizado

Ao mesmo tempo em que as tecnologias são essenciais para aprimorar os serviços, a comunicação e a qualidade da atenção ao usuário devem ser colocados em prática de forma a oferecer os melhores cuidados aos pacientes.

O atendimento humanizado começa pela escuta empática e passa por questões como o respeito às diferenças e à intimidade e pela ética profissional. Assim, tais aspectos relacionados ao acolhimento devem acontecer desde o primeiro contato em espaços como consultórios, salas de exame, hospitais, pronto-atendimentos, entre outros.

Entre as medidas concretas que possibilitam esse cenário está o treinamento dos colaboradores, a abertura de canais de comunicação, a divulgação apropriada de informações e a garantia dos direitos dos usuários.

3. Investir em unidades móveis

Unidade Móvel de Saúde e Vacinação desenvolvida pela Athos Brasil

Unidade Móvel de Saúde desenvolvida pela Athos Brasil

As unidades móveis são soluções inteligentes e modernas que se revelam grandes aliadas da rede pública de saúde por tornarem possível o acesso da população a consultas, exames, procedimentos ou campanhas de vacinação nas mais diversas regiões do Brasil. Isso porque levam o serviço até as pessoas!

Nesse sentido, a Athos Brasil atua no setor oferecendo mobilidade, projetos com layout personalizado, segurança e qualidade garantidas, além de tecnologia de ponta.

Com a capacidade de adaptar os mais diversos veículos – de trailer até van, container, micro-ônibus, ônibus, caminhão e semirreboque –, desenvolvemos unidades móveis que prezam por acessibilidade e sustentabilidade, respeitando todas as normas técnicas vigentes nos mais diversos organismos reguladores.

Ao estruturar os ambientes de acordo com a necessidade apresentada pelo gestor público, as unidades itinerantes da Athos são produzidas e equipadas, sendo que a customização envolve a fabricação própria da marcenaria até a funilaria.

Para as mais diversas especialidades médicas e objetivos, o suporte de profissionais altamente qualificados acontece no pré e no pós-venda.

4. Realizar de campanhas de prevenção

Pessoas sendo vacinadas em campanha de vacinação(Foto: Freepik)

Antecipar necessidades e viabilizar medidas que favorecem a prevenção de doenças são elementos fundamentais para o aumento do bem-estar da população e para evitar que o sistema de saúde fique sobrecarregado. Consequentemente, o tempo de espera em unidades tende a diminuir, bem como a realização de procedimentos e a demanda por tratamentos.  

Ações como a vacinação e a divulgação de informações voltadas à conscientização impedem que diversas doenças se espalhem e que diagnósticos precoces sejam oferecidos. Com campanhas que viabilizam, por exemplo, mutirões de exames – como a presença de uma unidade móvel de mamografia em um ponto estratégico de um município –, os resultados são agilizados e ações imediatas podem ser tomadas. Logo, os atendimentos de saúde se tornam mais certeiros.

5. Valorizar profissionais

Distribuição desigual de profissionais pelo território nacional, remuneração baixa, rotinas exaustivas e falta de especialistas são alguns dos pontos que prejudicam os trabalhados da área da saúde, de médicos a enfermeiros.

Sendo assim, ao oferecer salários condizentes a cada cargo e gratificações por desempenho, garantir os direitos trabalhistas, prezar pelo bem-estar físico e mental e assegurar que as reivindicações sejam ouvidas, a motivação e a produtividade serão favorecidas. Logo, o ambiente colaborativo será sentido pelos usuários da rede pública de saúde.

9ce35374d57f21b131b2c154cb11df47.jpg unidade-container-saude-ocupacional-visao-interna.png unidade-movel-saude-desenvolvida-athos-brasil.jpg unidade-movel-saude-athos-brasil.png unidade-movel-saude-vacinacao-desenvolvida-athos-brasil.jpg